24 de ago de 2007

(Sem nome ou Receita dos porquês)

Um dia por vez, bate bem, ´pois, carinha.
Teoriza por qualquer coisa e eu te querendo tereza pra fugir do lugar comum.
Corta o que diz ao meio antes de discursar
Quer ser grande, parece, complexo de Alexandre (o outro, que sabe bem), mas pra ele, complexo de belê é o que sai, porque é bom entendedor.
Contrapõe-se entre coisas que não imagina e tem uma coragem que eu fico besta.
Gosto do jeito dele ver a vida, um tabuleiro de xadrez com rios no meio.
Quer me levar pra passear a todo custo e gosto disso nele.
E do que não gosto eu também gosto. Do ombro arranhado...
Ficaria com ele até depois, até dar arrependimento. Porque a gente conversa e o som dele me pasma e admiro o jeito como ele conduz as coisas todas.

Hoje, mandou beijos, três, e quis bater na Paulista, pra me ver. Veja só.

Gosto dele se sentar na minha frente mas também quero-o mais perto. Às vezes.
Pra ouvir, como ele ouve todo mundo, com dois ouvidos e um corpo forte de quem existe.

Todos os dias eu acordo e renovo a vontade de saber mais.
Dele.

O frio congela as mãos mas mesmo assim ele não pára e resignifica tudo o tempo todo. Acima de tudo, ele significa muito pra mim. E ele tem sempre razão:
que bom que a gente existe.
como chuva faz bem, umedece o ar que vem de fora de ar molhado
é menos quente, é verdade, mas o brilho no nariz da gata melhora tudo

ouviu de colocar água no quarto porque a secura não agüenta
bonito, surreal e plástico
lembrou bênção de copo d´água pela tevê

(mas gostou mesmo foi dele no seu quarto:
umodificador de tudo, como brilho no nariz da gata)
.
Coração queria ouvir a voz perguntando: por que muda tanto?
Só de ouvir o se não, se ui, tenho medo que me pélo.

..
Um ventilador laranja que levou tudo pra lá. Veria varandas rajadas vermelhas
Ora amarelas: te prego
E rezo na língua que for desde que não mie e viva nos sas rosas
Um jardim delas, seu rosso

...
Ressaí com acento grave.
É um assunto um tanto quando heavy sem pesar mas eu bem tive que tripartir e ir pro sul
Procurar um frio de linha pra seguir: a meada sem semente
E me jura que diz a vero como má cristã que é: varrido de pedra coloca-se de castigo sob o tapete
Pego no seu e não largo

....
Já os cabelos que lhe batem na cintura deixaram umas marcas sinistras pois foi se meter a fazer as coisas direito pela prima de três vezes.
:
À vista é sempre melhor ter as patas fincadas na terra
(embora elas sempre prefiram a água)

.....
Deu-nos arrivederci:
Bonito mesmo é ver o rio descer.
O moreno claro tem o mais doce tocar de flauta
doce
Sopra aos montes...
...pólen vem.
(a)
e eu gosto tanto de gostar desse modo...
maneiro ele. que responde as perguntas dizendo um pouco de ci de vo cê.
um touro.
mas equilibrado. é isso o que ele é.
...emoções vão pra pele, sentimentos em cima do muro

(b)
se o passar do tempo disser, eu respondo
cuidado e carinho
que bom que o sentimento é meu.

tenho uma caldeira: duas
sente-se.
dividindo o fogo e o gelo

(c)
E foi aqui que a princesa sorriu, com anões ao seu redor, deleitou-se por ter sentido. Senti-lo foi como renascer e viver de novo mais uma vez mais

(d)
e, pensando naqueles olhos estranhos, formou-se um farol.
i.
rio do vale é um rio que corta uma cidade em outro lugar
é verde e caldaloso com ele e com u também, porque rio do vale é diferente de tudo, e tem rabo
por onde passa o rio, o vale o acompanha
e é linda a relação que existe entre o rio, o vale. e entre os letras na gramática.
o eme, o bê.
(mas isso é outra história para outro dia)

ii.
porque quando a ciranda dos tempos rodou, foi aí que eu bati a cabeça
(como é bom ficar de fora disso)
e numa profusão de cores, caldas e palavras gritadas em azul, uma vez mais se fez a trindade. de sempre.

iii.
algo só é válido se vem em três, por um.
(é o que dizem. mas ele nunca foi muito de acreditar nos outros não)

iv.
olhavam, nascia um pleno animal, em pelotas, no rio grande do sul
as bolinhas se juntaram e, de ser amorfo, tornou-se ator de filme western.
Leva passe vá
Foi por passos levados que fui
O que vejo entre ripas de pinho é o que?
Sem resposta, bate à porta
Quem?
Faz tempo que passou o trem carregado dessa que me abandonou e eu, assim mesmo, pedi pra carregar as malas, para dar o futuro
Seu sim
Era eu de boné verde escuro, catando no fundo moedas pra dar
Dinheiro de mim

.
Me poupe.
os pêlos são lindos são muitos são seus
por todos os lados são loiros caídos no chão
da casa, pelo azulejo também claro, levado pela água
por água
abaixo
pelo ralo
saudade passada dos pêlos pelos quais enlouqueci
passados por cima dele

.
um dia depois encontrei um no bolso do jeans:
ri pelo dono do pêlo como hoje ele chora por mim.